Mural de Avisos

O BLOG DA TERRA DA ROMARIA! São Joaquim do Monte-PE-

Recentes

Natal de Ontem e Hoje




Nesse tempo, o agora, o Natal é um convite para desacelerar, sair da árdua rotina da Existência. No auge das redes sociais, o telefone não para de sinalizar “mensagens e votos”. Pois bem: o passado -  e o Natal daquela época traz dados que constituem episódios interessantes e vale a pena visitar.
Os mais antigos evocam  as festas de outros tempos. Conversando com essas figuras e meditando nas suas palavras, fui anotando cenários interessantes e marcados por profunda devoção à simplicidade. O leitor, atento que ganhar um pouco de tempo nessa leitura deverá se permitir a voltar no tempo e entrar em sintonia com as décadas de 50, 60 e 70 do século passado... uma cidade simples, casas dispostas modestamente e com ruas sem pavimentação. Um poste aqui ou acolá formando a iluminação pública. A matriz, sempre no centro cercada por canteiros onde as margaridas viçosas eram arrancadas furtivamente por enamorados. Na véspera do Natal, famílias que moravam na roça se uniam e seguiam por picadas e estradas de terra, sorvendo a abundância de odores de uma natureza quase virgem, sem preocupações com assaltos ou qualquer tipo de violência. Os mais brandos temores se resumiam as “almas penadas”, tochas ou Comadre Fulozinha. O roçar leve da campina enquanto a fresca agreste acariciava os rotos.
Na cidade, espaços e ruazinhas localizadas ao redor da igreja eram ocupados pelos parques de diversões: canoas, carrossel empurrado por alguém , uma tal de “onda”, que é imitada por um brinquedo dos dias atuais que não vem em mente o nome...O palanque posto para o pastoril. As casas cheias. O jantar, servido com muita simplicidade e alegria. Ao redor das mesas, uma oração de agradecimento e preces. O Menino Jesus ocupava o centro, hoje destronado pela duvidosa figura de um senhor de barbas brancas, vestido de vermelho carregando um saco nas costas...bom, não se intimide, cara criança que se encanta com o Papai Noel, não tenho nada contra. Só pertenço a um número que anseia que o verdadeiro motivo das festividades natalinas volte ao seu trono. Na praça, o pastoril começara e logo a pequena multidão se dividia, cada qual abraçando um cordão: o azul ou o encarnado. No final, a comemoração do grupo vencedor. Ainda tinha um tal “passeio”, num frenético percurso feito num ônibus. Conta minha avó, em suas doces lembranças que, em São Joaquim do Monte, cidade a que me refiro nesta conversa, o veículo era lotado de crianças e casais de namorados partindo de “Barnabé” e seguindo até o local onde nos dias atuais se localiza a Cohab, retornando ao ponto de partida. Ainda reza a lembrança do movimento da “onda” e do carrossel com o candeeiro de querosene iluminando e tendo por tração um funcionário.
Exatamente a meia-noite se celebrava a Missa do Galo. Desde cedo, senhoras de saias longas e devotas aguardavam nas escadarias da matriz para participar do precioso momento. O Natal anunciado, celebrado e partilhado. Os que moravam nos sítios não temiam voltar já na madrugada, entre risos e conversas, nada temendo...
O Natal mudou. Muita coisa se perdeu, de fato. Nessas viagens que faço e levo você que até agora me acompanhou exorto para uma felicidade que precisa ser resgatada, para o nosso próprio bem. Os sítios foram deixados de lado. Não se vê mais grupo de pessoas indo e vindo. Até as almas penadas se esconderam com medo dos assaltantes. A missa foi antecipada. Já não se cantam os hinos dos pastoris. As margaridas, na minha cidade, foram substituídas por uma praça formada apenas por pau e pedra.
Ah...meu caro! Tempo bom que muitos queriam ter vivido ou voltar pra lá...com carinho lembranças e exemplos que podem ser atualizados. Basta querer.

___________
José Batista Neto

Nenhum comentário