ESPECIAL: As missões pelo Nordeste sempre arrastando multidões - Blog Coisa Nossa

O PORTAL DA TERRA DA ROMARIA! São Joaquim do Monte-PE

ESPECIAL: As missões pelo Nordeste sempre arrastando multidões

Compartilhe isso!

Um fenômeno de fé, força e vida. Frei Damião percorreu o equivalente há 950 Mil quilômetros, com apenas uma missão, Evangelizar. 



 Um homem, uma fé e o desejo incansável de salvar almas. Esse erá o hoje venerável Frei Damião. O missionário percorreu o equivalente a 23 voltas ao mundo, somente para levar aos corações sofridos uma mensagem fé e esperança. Com suas Santas Missões, o frei levou multidões, deixou histórias e ganhou não somente o carinho do povo, mas também a sua amizade e um amor capaz de santifica-lo.

 Para Frei Damião não importava, a distancia, a simplicidade ou a pobreza das cidades nordestinas. Bastava para ele um espaço e a vontade do povo de ouvi-lo. Sua voz com sotaque italiano, seu brado forte e sua oratória inconfundível, eram esperadas por diversos fieis em todas as parte de ponta a ponta da Região Nordeste. Os pequenos palanques, os carros de som, os fogos, as caminhadas longas e os grandes momentos de oração eram marcas de sua passagem pelas diversas cidades.



 As missões começavam cedo, às 4 horas da manhã, era o sinos badalando, cânticos de louvor e aquele convite ao caminhar. O clima de oração tomava conta das cidades. Após a caminhada penitencial, havia a Santa Missa, depois Frei Damião dedicava-se a confessar o povo, sempre no cochicho, gostava de aconselhar e de certa forma puxar as orelhas dos fieis. Outra marca era os encontros com grupos específicos. Tinha hora para as mulheres, para os jovens, crianças, idosos e também para os presos, Frei Damião também visitava as cadeias. Anoite geralmente era para os homens, pois muitos trabalhavam. 



 A cena era sempre a mesma, não variava de cidade para cidade. Igrejas lotadas, pátios e praças tomados pela multidão. Mas o que Frei Damião falava? Porque os fieis o admirava tanto? É simples, o capuchinho, trazia consigo a figura de Jesus, o povo estava carente desse encontro com o Salvador. Muito se convertiam, arrependiam-se dos erros. Muitas vezes largavam vícios como as bebidas, o de fumar e até mesmo as traições.  Embora, Frei Damião fosse duro com suas palavras e realista, ninguém o julgava, ninguém via nele um arcaico e velho homem. Olhavam ele como o conselheiro amigo e isso dura até hoje nas romarias em sua homenagem, nas caminhadas da zona rural para as Igrejas, nas orações pela sua beatificação. Feliz são aqueles que conseguem deixar bons frutos na terra, pois são capazes de salvar almas mesmo já não estando mais aqui.



Por: Antônio Oliveira.
Blog Coisa Nossa Pernambuco
A fé a serviço da informação.


Nenhum comentário: